terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Um Inferno Angelical




No meu ponto de vista, a peça de teatro «Auto da Barca do Inferno» encenada pela Companhia Ar de Filmes, no Mosteiro dos Jerónimos, foi bem sucedida e interpretada.
Inicialmente, os atores foram desfilando as personagens pela mesma ordem que consta na peça original. O seu tempero humorístico realçou e caracterizou, acima de tudo, as críticas que Gil Vicente apontou à sociedade quinhentista.
A originalidade esteve sobretudo presente na forma como foi abordada a cena do Parvo, através de um ritmado rap que pouco fazia lembrar o texto dramático. Este é para mim um dos encantos do teatro: poder transformar uma cena da realidade em algo completamente diferente, com outra cor e vida.
Por outro lado, a interação dos atores com o público despertou a atenção assim como a improvisação contrastando com alguns aspetos menos bons relativos à personagem do Anjo na qual houve ausência de serenidade e feminilidade.
Os cenógrafos não chegaram à “perfeição” dos cenários pouco trabalhados.
Acima de tudo, fiquei com a ideia que o texto vicentino é muito mais divertido representado que lido, tal como é próprio de qualquer texto dramático.

Marta Costa nº12 9ºA

0 comentários: