quinta-feira, 7 de março de 2013

«A força da poesia»



            Parecia tudo tão distante, sentia-me tão sozinha, mesmo estando rodeada de dezenas ou até centenas de pessoas que pareciam máquinas de um lado para o outro.
Todas elas pareciam tão certas do rumo a seguir, umas corriam outras falavam ao telemóvel, transmitindo certeza no que diziam.Eu era diferente, estava ali sentada naquela esplanada a olhar ao vento as salgadas ondas que iam rebentando sonoramente nas pequenas dunas de areia.Tudo mudou quando, para meu espanto, vi um homem que se assemelhava a mim, também sozinho naquele mundo. Esta figura diante de mim era mais velha, tinha uma cara maltratada. Talvez cicatrizes dos males que a vida lhe reservara, pensei eu enquanto me dirigia para a sua mesa.─Posso?─Claro que sim, menina, sente-se!O homem estava a ler um livro. Com curiosidade, tive a ousadia de o interpelar:-O que lê tão concentrado?-Trata-se do livro que me ajuda a tomar as decisões da minha vida.O homem levantou-se deu-me o livro e disse:-Fique com ele, agora ajudá-la-á a si.A verdade é que se tratava de um livro de Fernando Pessoa, um livro de poemas que agora me deixa também ser uma pessoa segura de si, alguém que sabe o seu rumo.

Catarina Ferreira, n.º 4, 9º E

0 comentários: